Policiais do Denarc são acusados de roubar e vender drogas apreendidas

Uma reportagem do fantástico exibida, na noite deste domingo, mostrou que policiais do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) são investigados sob a acusação roubo e venda de droga. A equipe do Denarc, intitulada Falcão 64 C, também receberia propina de traficantes de drogas e chegou a tramar até mesmo o assassinato de um promotor de justiça.
Um dos envolvidos no esquema fechou acordo de delação premiada com o Ministério Público, que investiga o caso. O delator relatou como funcionava o esquema em troca de redução da pena e contou que os investigadores fraudavam as operações que eles faziam para ficar com a maior parte da droga e vender depois. Contou ainda que os policiais misturavam bicarbonato e pó de gesso aos tabletes apreendidos para aumentar a quantidade apresentada nas
operações.
A gente apresentava a droga ruim e vendia o resto - afirmou o delator, num trecho do vídeo da delação premiada a que o Fantástico teve acesso.
Um policial do Denarc também teria vazado uma operação da polícia na Cracolândia em 5 de agosto na capital paulista.
De acordo com o Fantástico, o delator também relatou que um dos policiais da equipe do Denarc também comandou uma sessão de tortura de uma mulher inocente para que a vítima entregasse o destino de um traficante que não teria pago propina ao grupo. Eles também teriam planejado a morte do promotor de justiça Amauri Silveira Filho, um dos responsáveis pela investigação de corrupção.
O MP também investiga o desvio de cocaína pura apreendida de dentro dos cofres do Denarc pelo policial Bruno Figueiredo. O advogado de Figueiredo, Jonas Marzagão, negou as acusações.
Segundo a promotoria, as apreensões recebem lacres até serem incineradas. Contudo, as investigações mostram que Bruno fazia cópia falsas dos lacres. Um outro policial, comparsa de Bruno, seria responsável pela troca da cocaína pura no cofre por outra misturada. Posteriormente, a droga roubada era vendida pelos policiais acusados. (extra)

Nenhum comentário:

Postar um comentário