Presas empresárias suspeitas de envolvimento em roubos de hidrômetro na Bahia

As empresárias Valdiene Barbosa da Silva, 24 anos, e Wilsara Estrela Fernandes, 37, foram presas nesta terça-feira (15), suspeitas de participar de um esquema de furto de hidrômetros em Juazeiro, no Norte da Bahia. Três funcionários da empresa Heloarda Metais Ltda, administrada pelas amigas, também foram detidos.
Segundo o titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) local, Reginaldo César Lima, a investigação começou depois que o número de furtos de hidrômetros cresceu na cidade. Entre julho e agosto deste ano a delegacia registrou, em média, 24 furtos por semana. A investigação levou a polícia até as empresárias.
"Os produtos eram furtados por usuários de drogas e moradores de rua. Eles levavam até os funcionários da empresa Heloarda Metais, que compravam o produto com o dinheiro e o aval das administradoras. Wilsara nega o crime, mas Valdiene adimitiu e contou como tudo acontecia. Os três funcionários que foram
presos também confessaram o crime", contou.
Depois de serem roubados, os equipamentos eram derretidos. A ideia era separar o plástico do cobre, e o metal era vendido para empresas em Recife (PE). Segundo o delegado, as empresas que compravam o material acreditavam que era lícito. Os grupos empresariais não serão indiciados. Nas últimas semanas, 32 residências de Juazeiro tiveram os hidrômetros furtados.

Indiciados
Os equipamentos furtados pertencem à empresa de Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAEE), responsável pelo abastecimento de água no município. A polícia ainda não fez a estimativa de quanto as empresárias lucravam com o esquema, mas o delegado informou que cada hidrômeto custa cerca de R$ 170 e que o número de furtos pode ser ainda maior. "Porque nem todo mundo que tem o hidrômetro furtado procura a polícia para formalizar a queixa", disse.
Além de Valdiene e Wilsara, foram presos, nesta terça, Pedro George Ferreira Lima, 19, Ramom Wilker Costa Alves, 25, e João Guilherme Silva Santos, 37, responsáveis por receber os produtos roubados. Segundo o delegado, os três funcionários serão indiciados por associação criminosa, enquanto as duas mulheres vão responder por esse crime e por receptação qualificada - por comprar e vender produtos roubados no mercado comercial, por meio de empresa.
Os cinco suspeitos foram encaminhados para a audiência de custódia no final da tarde. Os três homens vão responder ao processo em liberdade provisória. Wilsara pagou 20 salários mínimos de fiança e foi liberada. Já Valdiene foi colocada em prisão preventiva e foi encaminhada para o Conjunto Penal de Juazeiro. A polícia ainda investiga a participação de outras pessoas no crime. (correio24horas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário