Recuperação mais forte da indústria não é disseminada

A recuperação mais forte do que a média nas atividades industriais que utilizam mais tecnologia na cadeia de fabricação de seus produtos pode não ser totalmente disseminada. O presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, considera a recuperação ainda apenas pontual. “Alguns poucos segmentos estão mostrando resultado positivo, mesmo na indústria de eletrônicos, porque dependemos muito da confiança do consumidor. A taxa de desemprego alta resulta em menor consumo, menor demanda por produtos, menor produção”, disse Périco, que atua na Zona Franca de Manaus, polo de fabricação de eletroeletrônicos. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, embora a busca por componentes eletrônicos e equipamentos para automação industrial esteja aquecida, as indústrias representadas pela associação estão operando com uso de 72% de sua capacidade de produção. Em 2014, o setor chegou a usar 82% da capacidade.
Para o diretor-presidente da Sociedade Brasileira Pró-inovação Tecnológica (Protec), Roberto Nicolsky, o desempenho melhor do que a média na produção industrial das atividades de maior intensidade tecnológica é explicado por casos isolados de poucas empresas. A Weg, assim como Romi e Embraer, tem histórico de investimentos em pesquisa e inovação: “Justamente porque têm mercado cativo no exterior, com grau de diferenciação em seus produtos, sentem menos os efeitos da crise, mesmo com o mercado interno caindo”.
Estadão/Politicalivre

Nenhum comentário:

Postar um comentário