Prefeituras baianas se unem em protesto e encaminham carta pedindo R$ 4 bi ao Governo Federal

Denunciando a grave crise financeira que enfrentam, mais de 350 prefeituras baianas fecharam as portas na quinta-feira (26) em um protesto no Centro Administrativo da Bahia, em Salvador, que teve início em frente à sede da União dos Prefeitos da Bahia e seguiu até a Assembleia Legislativa. À tarde, os gestores se reuniram com deputados federais e senadores e encaminharam uma carta ao Governo Federal com a reivindicação de R$ 4 bilhões para o fechamento das contas anuais, encontro realizado no auditório da UPB.
De acordo com a entidade, as gestões municipais enfrentam grave déficit orçamentário, o que dificulta o pagamento de funcionários e a manutenção de serviços em setores como saúde, educação e assistência social.
No auditório da UPB, estiveram presentes os deputados Cláudio Cajado (DEM) e Bebeto Galvão (PSB), e os senadores Otto Alencar (PSD) e Lídice da Mata (PSB).
Entre as pautas de interesse das prefeituras estão a retirada de despesas de programas sociais do governo pelos municípios; reajuste dos repasses dos programas federais e estaduais; repasse imediato dos royalties de petróleo pelo Governo do Estado para os municípios e a edição de Medida Provisória para garantir o Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM), no aporte de R$ 4 bilhões, para que as administrações municipais fechem as contas do ano.

Na quarta-feira (25), durante entrevista a Mário Kértesz, na Rádio Metrópole, o presidente da UPB e prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro (PSD), criticou o corte de repasse de verbas destinada à Bahia pelo Governo Federal. Segundo ele, em tempos de crise "quem sofre é o pequeno". "O Governo Federal pegou um ʹbocadoʹ de programas sociais e jogou nas nossas costas. Tem município que mesmo enxugando não consegue pagar a folha. Como é que se governa sem dinheiro?", questionou.

De acordo com Eures, está prevista uma ida de prefeitos a Brasília, no próximo dia 22, para exigir do governo federal o apoio financeiro aos municípios brasileiros. Metro

Nenhum comentário:

Postar um comentário