Presidente do Conselho de Ética arquiva representação que pedia cassação de Aécio

A assessoria do presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), informou que o parlamentar decidiu nesta terça-feira (24) arquivar a representação do PT que pedia a cassação de Aécio Neves (PSDB-MG).
Com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS, o PT havia pedido ao conselho que abrisse um processo contra Aécio.
Mas, segundo a assessoria de João Alberto, o presidente do Conselho de Ética consultou a Advocacia Geral do Senado, que recomendou o arquivamento do pedido do PT.
A assessoria do presidente acrescentou, ainda, que cabe recurso da decisão ao plenário do conselho.
Procurada, a assessoria de Aécio divulgou a seguinte nota: "A defesa do senador Aécio Neves reitera a absoluta correção de sua conduta. As investigações demonstrarão que os recursos citados referem-se a um empréstimo entre privados que não envolveu dinheiro público ou qualquer contrapartida. Portanto,
não houve crime ou quebra de decoro."
O presidente do Conselho de Ética defendeu a decisão, afirmando estar em posição de "juiz", que é não ser aplaudido por todas as decisões.
"Sou, neste momento, juiz, escolhidos pelos senadores, para o Conselho de Ética. E, como presidente do Conselho de Ética, às vezes sou aplaudido por algumas decisões e às vezes não aplaudido", disse. (g1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário