Chuvas de Verão se intensificam e causam estragos no interior

Cinco bois mortos após a queda de um raio durante um temporal no Sudoeste, onde a enxurrada arrastou carros e motos e alagou diversas vias. Um carro de passeio engolido por uma cratera que se abriu no meio de uma rodovia estadual no Oeste. Imóveis do Minha Casa, Minha Vida que foram destelhados no Norte.
Esses são apenas alguns dos estragos causados por chuvas de Verão que caíram na Bahia entre as 9h desta quarta-feira (3) e 9h desta quinta (4). Segundo informações da Coordenação de Defesa Civil do Estado (Cordec), apesar dos estragos, não houve registro de pessoas feridas e nenhum município decretou situação de emergência por conta do temporal.
O Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), braço da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), informa, em seu relatório diário sobre o clima no estado, que “o tempo na Bahia, nas últimas 24 horas, foi influenciado
por sistemas meteorológicos de diferentes características, atuando em áreas distintas.”
Na faixa Centro-oeste e Sul do estado, quem atuou com mais intensidade foi a umidade vinda da região amazônica e do Oceano Atlântico, onde deixaram o céu encoberto e chuvoso na maior parte dessa faixa, aponta o relatório do Inema.
“Durante o período, os maiores volumes e chuvas foram registrados nas regiões Oeste, São Francisco, Sudoeste e Chapada Diamantina”, diz o relatório, segundo o qual a cidade onde mais choveu foi Vitória da Conquista, onde há sete pluviômetros que marcaram quantidades diferentes de chuvas.
O maior deles registrou 105,3 milímetros e o menor 56,5 chuvas são consideradas fortes quando registram acima de 50 milímetros.
Situada no Sudoeste, a terceira maior cidade da Bahia, com 165 mil habitantes, Conquista viu as chuvas arrastarem carros e motos pelas ruas centrais, que recebe toda a água que desce da Serra do Piripiri. A chuva que veio acompanhada de ventos também derrubou árvores e destelhou casas.

Resgate
Outros locais da cidade, como a avenida Brumado, na zona oeste, também foram afetados. As chuvas com vento deixaram a via com aspecto de um rio caudaloso. Um homem que estava em um veículo teve de ser socorrido por populares para sair das águas, onde estava ilhado.
A Avenida Juracy Magalhães, que dá acesso ao único shopping da cidade e a diversos bairros recentemente povoados, foi interditada após uma cratera se abrir próximo a galeria por onde passa o Rio Verruga, que nasce na Serra do Periperi e corta a cidade por meio de um canal subterrâneo. Várias ruas da cidade ficaram esburacadas.
O problema dos buracos nas ruas é uma queixa diária da população, o que tem gerado impopularidade do prefeito Herzem Gusmão (MDB), o qual também vem se queixando dos serviços da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) na cidade.
Opositor do governador Rui Costa (PT), o prefeito chegou a ameaçar que iria rescindir o contrato da Prefeitura com a estatal, e após uma visita nesta quinta-feira a locais onde as chuvas causaram estragos declarou, via assessoria de comunicação, que “encontrou ruas completamente esburacadas por obras inacabadas da Embasa”.
E diz ter enviado para a estatal uma notificação para que a Embasa “interrompa imediatamente todas as obras no município até que os devidos reparos sejam feitos nas ruas esburacadas”. O correio24horas pediu cópia do documento, mas não foi enviado. Procurada para comentar o assunto, a Embasa não respondeu.
“Até mesmo um caminhão de coleta de lixo ficou preso em um dos buracos provocados pela empresa [estatal], provocando enormes transtornos para a população", diz uma nota oficial, acompanhada de uma declaração do gestor: "Este descaso com a população não pode continuar. Enquanto a restauração das vias não for feita, não autorizaremos a Embasa a prosseguir com as obras”.
Durante o dia e início da noite, nesta quinta-feira, não choveu na cidade. Para esta sexta, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê tempo nublado com trovoadas e pancadas de chuvas isoladas.

Outros prejuízos
Em Botuporã, no Sudoeste, as chuvas que caíram na tarde desta quarta também deixaram diversas ruas alagadas. Não houve o registro de pessoas feridas ou desabrigadas na cidade de 11 mil habitantes.
Numa fazenda, cinco bois que se abrigavam da chuva embaixo de uma árvore morreram após receberem a descarga de um raio que atingiu o local. Na cidade não há pluviômetros do Inema ou do Inmet, segundo o qual nesta sexta o tempo será nublado com possibilidade de trovoadas e pancadas de chuva isoladas.
Ainda no Sudoeste, mais prejuízos com as chuvas de granizo que arrancaram parte do telhado do Hospital Regional de Paramirim. Dez pacientes que estavam na enfermaria, a parte mais atingida no hospital, tiveram de ser transferidos para outra unidade de saúde do município. O caso ocorreu na terça.
Na região Oeste, uma das regiões mais castigadas pelas chuvas desta quarta, um carro de passeio de uma empresa particular caiu dentro de uma cratera que se abriu na BA-459, num trecho próximo a Barreiras. Havia dois ocupantes no veículo e eles não tiveram ferimentos, segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE).
Por conta do ocorrido, a pista foi interditada. A polícia acredita que a cratera tenha se formado por causa das chuvas, porém os pluviômetros do Inema registraram em Barreiras apenas 12 milímetros de chuva. No Oeste, a cidade onde mais choveu, segundo o registro oficial, foi em Correntina, onde caíram 70,9 milímetros de chuva. Lá, também não houve registros graves.
A Cordec informou que acompanha as chuvas na Bahia e seus possíveis estragos e que foi acionada apenas pela Prefeitura de Campo Formoso, no Norte, devido às chuvas que arrancaram telhados de dezenas de imóveis do programa federal de habitação Minha Casa, Minha Vida. O correio24horasnão conseguiu contato com a prefeitura da cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário