Operações da polícia ambiental vão proteger defeso de peixes e crustáceos

Entre dezembro de 2017 e março de 2018, a Companhia de Polícia de Proteção Ambiental (Coppa) promove operações com a finalidade de combater a pesca predatória e garantir que o período de defeso época em que a pesca é proibida para possibilitar procriação dos peixes, camarões e lagostas seja respeitado.
Além das ações na costa de Salvador, haverá também fiscalização em feiras e mercados que comercializam frutos do mar. “Fazemos uma verificação prévia, para identificar as bancas que estão vendendo os produtos, observando o tamanho e o período”, disse a comandante da Coppa, major PM Maria Aparecida Melo, esclarecendo que, em alguns casos, ao perceberem a aproximação policial, os comerciantes descartam o material ou desaparecem.
Em maio do último ano, durante a fase de proibição, foi preso o dono de uma barraca situada no Mercado do Peixe, em Água de Meninos, que vendia lagostas. A Polícia Militar lembrou que, durante o verão, época do ano em que o turismo
se intensifica, muitos desrespeitam as leis sob a alegação de que precisam atender à demanda dos clientes.
“Eles só se preocupam apenas com o lucro, capturando, muitas vezes, peixes e crustáceos muito pequenos, em desenvolvimento ou cheio de ovas, em fase de reprodução”, detalhou Maria Aparecida, classificando como “lamentável” a falta de preocupação com a natureza, por parte dos comerciantes e daqueles que consomem os produtos. Todo o material apreendido é doado para instituições de caridade ou lares que cuidam de pessoas carentes. “Nada fica com a Coppa”, enfatizou. (ssp.ba)

Nenhum comentário:

Postar um comentário