Defesa pede liberdade de ex-ginasta que matou bebê: 'Cuidar da outra filha'

A defesa da ex-ginasta Ana Carolina Moraes da Silva, de 29 anos, vai solicitar à Justiça, nesta segunda-feira (23), a revogação da prisão dela. A mulher está detida por matar a filha recém-nascida ao jogá-la em um duto de lixo do 6º andar de um prédio em Santos, no litoral de São Paulo.
O corpo do bebê foi encontrado por um catador de latinhas que vasculhava um contentor de lixo na Rua Bahia, no bairro Gonzaga, em 28 de junho. A polícia chegou aos pais ao localizar um cupom fiscal no saco onde foi achada a criança. O casal foi preso, mas o pai conseguiu a liberdade.
A advogada Letícia Giribelo, que defende Ana Carolina, explicou ao G1 que vai pedir a soltura da cliente com base nos bons antecedentes dela, além de emprego e residência fixos. "Também vamos destacar que ela tem uma filha de dois anos que precisa ficar sob os cuidados da mãe", afirmou.
Caso o pedido não seja acatado em primeira instância, a advogada garante que entrará com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça. "Vamos pedir um Habeas Corpus por motivo humanitário, justamente para que ela possa cuidar da filha enquanto não ocorre o julgamento do caso".
A ex-ginasta está presa há aproximadamente um mês e a criança está sob os
cuidados do pai e da avô paterna. "Apesar de serem separados, acontece que eles possuem um estabelecimento comercial que, desde o ocorrido, enfrenta dificuldades para abrir. A menina era sempre cuidada por ela".
Ana Carolina, segundo Letícia Giribelo, agiu em desespero, sem consciência, e agora está arrependida e até tentou se matar enquanto estava na Cadeia Pública feminina de São Vicente. "Usou um garfo e a tampa de alumínio de uma marmita. Isso mostra a condição psicológica dela, que não está nada bem".
A advogada também contou ao G1 que o laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a bebê morreu por traumatismo, e que não havia indícios de asfixia, como indicou a polícia inicialmente. Ela acredita, também, após conversar com a cliente, que não houve qualquer premeditação.

"Ela não teve consciência do que fez, mas garante que acreditava que a criança tinha nascido morta, no vaso sanitário. Já pedimos uma avaliação psiquiátrica à Justiça e agora aguardamos a data para ser realizada a perícia", explica a advogada. Ana Carolina está presa em Tremembé, no interior paulista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário