Traficantes impedem vacinação contra o sarampo na Zona Norte de Manaus

Agentes de saúde que trabalham em uma ação emergencial contra o sarampo realizada de casa em casa foram impedidos de aplicar doses da vacina no bairro Jorge Teixeira, Zona Norte de Manaus, na noite da quarta-feira (18). Segundo a prefeitura o acesso até as residências foi obstruído por traficantes. A cidade, que está em situação de emergência, já registra mais de 400 casos de sarampo confirmados desde março deste ano.
Segundo informações apuradas pela Rede Amazônica, os traficantes fecharam os limites das ruas das Goiabeiras e Carapanauba e não deixaram os agentes de imunização seguirem com a varredura vacinal nas residências. O trabalho terminou por volta das 19h, uma hora antes do previsto.

"Alguns traficantes da área impediram a equipe de continuar fazendo ação até o horário que a gente estava previsto", disse uma enfermeira que atuava na ação.
Não havia policiais no local no momento das ameaças. Em nota, a Secretaria de
Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) determinou que o caso seja investigado pela Polícia Civil.

O prefeito de Manaus, Artur Neto, disse que vai acompanhar as equipes de vacinação nas ruas nesta quinta-feira (19).

Campanha nas ruas
Após o decreto de emergência, no início de julho, a Prefeitura de Manaus anunciou a intensificação da vacinação na capital. Casas, estabelecimentos comerciais e escolas passaram a receber visitas de agentes de saúde.
Além do reforço nas ruas, as doses continuam disponíveis para a população em 185 salas de vacinação localizadas em unidades de saúde.
Após ser decretada situação de emergência devido à epidemia de sarampo em Manaus, a cobertura de vacinação foi ampliada na capital. De acordo com a Fundação de Medicina Tropical, (FMT), até agora 85% da população já foi vacinada, mas a meta é chegar a 95%, o que corresponde a 27 mil pessoas. Por isso, a partir desta segunda-feira (16), além das Unidades Básicas de Saúde (UBSs), as escolas estaduais começam a oferecer a vacina para os alunos e comunidade. (g1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário