Motivação política, religiosa e racial moveu agressor, diz defesa

Advogado vai pedir perícia para avaliar saúde mental de Adelio Bispo de Oliveira

O advogado Zanone Manoel de Oliveira Júnior, que faz a defesa de Adelio Bispo de Oliveira, agressor confesso de Jair Bolsonaro, afirmou que seu cliente agiu por motivação política, religiosa e racial.
Adélio Oliveira
Crédito: Divulgação/Polícia Militar
Adélio Oliveira foi preso acusado de atacar o deputado Jair Bolsonaro; segundo a PM, ele confessou autoria do crime
Ao repórter Lucas Vettorazzo, da “Folha”, o advogado disse que o autor do ataque agiu sozinho o tempo todo. Segundo o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, além de Oliveira, outras duas pessoas são investigadas por suspeita de participação no ato criminoso.
Segundo o advogado, que atuou no caso do goleiro Bruno, seu cliente teria se sentido ofendido com a forma como Bolsonaro falou de quilombolas _ que “nem para procriar servem”. Oliveira se considera negro e a fala teria abalado sua psiquê.
A defesa pedirá uma perícia para que seja avaliada a saúde mental de Oliveira, que disse já ter tomado remédios para problemas psicológicos no passado.
O ataque

Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, fazia um ato de campanha em Juiz de Fora (MG) na tarde desta quinta-feira, 6, quando foi esfaqueado na região do tórax. O golpe atingiu uma artéria e o intestino, e o presidenciável teve ser submetido a uma cirurgia de emergência na Santa Casa local. Na manhã deste sábado, ele foi transferido para o hospital Albert Einstein, em São Paulo e seu estado, apesar de ainda ser considerado grave, é estável.
Fonte: catracalivre

Nenhum comentário:

Postar um comentário