Dólar cai 4,5% na semana e fecha a R$ 3,85 antes do 1º turno

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (5), repercutindo as últimas pesquisas eleitorais e após a divulgação dos dados do mercado de trabalho dos EUA.
A moeda norte-americana caiu 1,01%, vendida a R$ 3,8547. Veja mais cotações. É o valor mais baixo desde o dia 9 de agosto (R$ 3,8023).
Na mínima do dia, o dólar atingiu R$ 3,84. Na máxima, chegou a R$ 3,8943. Já o dólar turismo fechou negociado a R$ 4,02, sem considerar a cobrança de IOF (imposto).

Pesquisa Datafolha para presidente: Bolsonaro, 35%; Haddad, 22%; Ciro, 11%; Alckmin, 8%; Marina, 4%
Na semana, o dólar acumulou queda de 4,53%. Já no ano, a moeda tem valorização acumulada de 16,33%.
O principal índice da bolsa brasileira, Ibovespa, fechou em queda de 0,76%
nesta sexta-feira (5), a 82.321 pontos. Na semana, a bolsa acumula alta de 3,75%
Ao longo da manhã, os investidores ajustaram um pouco suas posições para o pleito de domingo, buscando proteção com a compra de dólares, após a divulgação de dados do mercado de trabalho norte-americano fora do setor agrícola abaixo do esperado.
Segundo o relatório do Departamento do Trabalho, foram criadas 134 mil vagas no mês passado, menor número em um ano, mas os dados de julho e agosto foram revisados para mostrar 87 mil vagas a mais do que o informado antes. A previsão era de abertura de 185 mil vagas.

O Banco Central ofertou e vendeu integralmente nesta sessão 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 1,925 bilhão do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro.

Última sessão
No dia anterior, a moeda norte-americana subiu 0,19%, vendida a R$ 3,8939. No ano, até a véspera, a moeda acumula alta de 17,5%, e no mês, queda de 3,5%.
Assim, o dólar interrompeu uma sequência de três quedas e subiu pela primeira vez em outubro, num leve movimento de correção influenciado pela fraqueza das divisas emergentes no exterior e ainda com uma pausa na euforia com o cenário eleitoral após a pesquisa Ibope.

Perspectivas
A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2018 caiu de R$ 3,90 para R$ 3,89 por dólar, segundo o boletim Focus do Banco Central divulgado na segunda. Para o fechamento de 2019, avançou de R$ 3,80 para R$ 3,83 por dólar.
Desde agosto, o dólar vinha se mantendo acima de R$ 4, em meio a incertezas sobre o cenário eleitoral e também ao cenário externo mais turbulento, o que faz aumentar a procura por proteção em dólar.
A expectativa de que a cautela iria predominar nos mercados antes do primeiro turno foi substituída por ajuste de posições nos últimos pregões, em meio a novas pesquisas eleitorais e especulações sobre o desfecho das eleições.
O mercado prefere candidatos com viés mais reformista e entende que aqueles com viés mais à esquerda não se enquadram nesse perfil.
As flutuações atuais ocorrem principalmente conforme cresce a procura pelo dólar ou oferta: se os investidores veem um futuro mais incerto ou arriscado, buscam comprar dólares como um investimento considerado seguro. E quanto mais interessados no dólar, mais caro ele fica.
Outro fator que pressiona o câmbio é a elevação das taxas básicas de juros nas economias avançadas como Estados Unidos e União Europeia, o que incentiva a retirada de dólares dos países emergentes. O mercado tem monitorado ainda a guerra comercial entre Estados Unidos e seus parceiros comerciais e a crise em países como Argentina e Turquia. (g1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário