Análise da Polícia Federal diz que presos da Lava Jato foram grampeados ilegalmente

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, que era o principal juiz da operação Lava Jato, pode vir a ter novos problemas. Afastado de sua pasta após um pedido de licença, Moro vem sendo confrontado com conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil que mostram uma postura parcial e um conluio com procuradores quando era juiz. Nesta quinta-feira, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a Polícia Federal confirmou que fez uma análise e constatou que a Lava Jato grampeou presos da operação de maneira ilegal.
De acordo com a PF, a Lava Jato grampeou ilegalmente, em 2014, 260 horas (cerca de 11 dias) de conversas de figuras como os doleiros Alberto Youssef e Nelma Kodama, e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. À época, Moro era o juiz que conduzia a operação. Há poucas semanas Youssef, um dos primeiros delatores da Lava Jato, foi ouvido pela Polícia Federal, em São Paulo, sobre a instalação de um grampo ilegal em sua cela, em 2014.
Chegou-se a cogitar na época que se tratava de um aparelho antigo, instaurado em 2008 para ouvir o traficante Fernandinho Beira-Mar, que foi preso na mesma cela anos antes.
Um agente da PF, no entanto, relatou, em depoimento, que instalou o grampo no local em 2014 e que o objetivo era, efetivamente, vigiar Youssef. A PF passou a investigar o caso. Na época Moro deu pouca importância à denúncia que agora, segundo a PF, foi comprovada.


*Forúm

Nenhum comentário:

Postar um comentário