Inema acompanha investigações das manchas de óleo nas praias do litoral norte

Na manhã desta última quarta-feira (09), o Instituto do meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) junto com o Instituto de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Projeto Tamar, órgão vinculado ao ICMBio – Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, acionaram as suas equipes para o acompanhamento e análise dos impactos que as manchas de óleo que apareceram nas praias do litoral norte da Bahia estão causando na região.
Equipes estão monitorando a área e alinhando com os poderes públicos locais estratégias para limpeza e contenção dos resíduos. Foi iniciado também um trabalho de investigação em conjunto com a Marinha do Brasil, com o objetivo de identificar a origem da mancha de contaminação no mar nas praias do nordeste.
Um sobrevôo por todo o litoral norte baiano foi realizado pelo instituto que seguiu até a divisa com Sergipe, na localidade de Mangue Seco, foz do Rio Real. O vôo também percorreu o trecho entre a divisa de Salvador com Lauro de Freitas até o município de Mata de São João, nos distritos de Guarajuba e Itacimirim, e não constataram manchas ou indícios de óleo na areia das praias ou sobre a estrutura rochosa e coralínea da costa.
A equipe só localizou alguns fragmentos de óleo na localidade da Praia do Lord, em Praia do Forte. O trecho com maior incidência é o do litoral do município de Conde, onde se observou uma faixa contínua de pepitas e aparições espaçadas de manchas ao longo de toda a costa, mais intensas na região de Sitio do Conde. No município de Jandaíra a situação se repete, entretanto foi avistada a equipe de limpeza do Centro de Defesa Ambiental (CDA) Petrobras, que já havia recolhido parte das manchas, mas ainda com algumas incidências até a localidade de Mangue Seco.
De acordo com o Inema, a concentração do material se intensifica na direção norte, no município de Esplanada, na localidade de Baixios.
O órgão informou que continua acompanhando, por meio da sua equipe de campo, as ações realizadas pelo Ibama, Petrobras e prefeituras.


*Bahia.ba

Nenhum comentário:

Postar um comentário