80 pessoas já morreram este ano por dengue na Bahia

Em tempos de temperaturas mais altas e forte calor, todo cuidado é pouco quando o assunto são as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti: dengue, zika e chikungunya. De acordo com especialistas da área de saúde, nessa época, o período reprodutivo do mosquito fica mais curto e ele se reproduz com maior velocidade.
Para se ter uma ideia da letalidade causada por este inseto, cerca de 80 pessoas vieram a óbito no estado por conta da dengue, de acordo com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab). A maior parte das mortes foi registrada na cidade de Feira de Santana (12), seguida por Salvador (3) e em Paulo Afonso (2). Casos também foram registrados em outras regiões da Bahia, a exemplo do norte, centro-norte e sudoeste.
Segundo o órgão estadual, até o último dia 8 de novembro, foram notificados 65.574 casos prováveis de dengue no estado. No mesmo período de 2018, foram notificados 8.647 casos prováveis, o que representa um aumento de 658,3%. No total, 385 dos 417 municípios baianos realizaram notificação para esse agravo.
Com relação a chikungunya, a Sesab registrou oito mortes no período compreendido entre os dias 30/12/2018 e 08/11/2019. A maior parte dos registros ocorreu na cidade de Madre de Deus (3). Candeias e Feira de Santana, com dois, e Salvador, com um caso, também fazem parte da lista.
Nesse caso, foram notificados 8.656 casos prováveis de Chikungunya no estado. No mesmo período de 2018, foram notificados 4.275 casos prováveis, o que representa um aumento de 102,4%. Já com relação a zika, apesar do aumento de 107,7% no número de casos prováveis, a Sesab informou que não houve registro de óbitos pela enfermidade.

CAPITAL
Em Salvador, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o número de casos notificados de dengue aumentou em 415% em um ano, com 1.566 registros no ano de 2018 e 8.078 até agora em 2019. Já a zika teve uma elevação de 490% na capital baiana. O acréscimo mais significativo foi visto na quantidade de casos de chikungunya: mais de 2400%. Se no ano passado foram registrados “apenas” 111 casos notificados, em 2019 este índice chegou a 2.796.
Conforme o órgão municipal, Cabula/Beiru, Subúrbio Ferroviário e Barra/RioVermelho/Pituba foram os distritos com a maior quantidade de notificações este ano. Com relação ao índice de infestação predial, o bairro de Fazenda Coutos foi a localidade que apresentou o maior índice: 8,4%, seguido do Bairro da Paz (5,7%) e da regiões de Mirantes de Periperi e Nova Constituinte (5,3%).

CUIDADOS
De acordo com o Ministério da Saúde, a melhor forma de prevenção da dengue é evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, eliminando água armazenada que podem se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, pneus, garrafas pláticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.
Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia – quando os mosquitos são mais ativos – proporcionam alguma proteção às picadas e podem ser uma das medidas adotadas, principalmente durante surtos. Repelentes e inseticidas podem ser usados, seguindo as instruções do rótulo. Mosquiteiros proporcionam boa proteção para aqueles que dormem durante o dia, como bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos.
Para quem for viajar neste período e deixar a casa fechada, medidas simples podem ser adotadas como substituir a água dos pratos dos vasos de planta por areia; deixar a caixa d´água tampada; cobrir os grandes reservatórios de água, como as piscinas, e remover do ambiente todo material que possa acumular água, a exemplo de garrafas pet, latas e pneus.


*Tribuna da Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário