Líder do BDM, Zé de Lessa morre após trocar tiros com policiais

O fundador e um dos líderes da facção Bonde do Maluco (BDM), Zé de Lessa, um dos homens mais procurados da Bahia, o Ás de Ouro do Baralho do Crime da secretaria da Segurança Pública (SSP), morreu em confronto com a polícia do estado do Mato Grosso do Sul. O fato aconteceu em uma chácara localizada entre as cidades de Aral Moreira e Coronel Sapucaia, na madrugada desta quarta-feira (4). Durante o confronto mais três homens morreram e um foi preso.
De acordo a polícia do Mato Grosso do Sul, os agentes estouraram o esconderijo onde o grupo estava reunido desde quando os suspeitos realizaram um ataque a um carro-forte da empresa Brink’s, na fronteira com o Paraguai, na segunda-feira (2).

Segundo o site Campo Grande News, os agentes estavam com mandados emitidos pelo juízo de Amambai em mãos e, ao entrarem na propriedade, começou um confronto entre suspeitos e policiais. Alguns acusados fugiram para uma área de mata e com apoio do helicóptero do Grupamento Tático Aéreo (GTA), policiais fazem buscas pelo local.

O ataque
Na segunda (2), a quadrilha atacou o carro-forte na MS-156, entre Caarapó e Amambai, mas fugiram para o Paraguai sem ter êxito no roubo.
Os bandidos tentaram abrir o blindado com explosivos, mas a porta não abriu e eles fugiram. Uma perícia vai revelar se o carro-forte resistiu por causa da quantidade de explosivo ou se os artefatos falharam.
A operação envolveu além da equipe da Garras, o Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), o DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e uma equipe da PM (Polícia Militar) de Amambai.

Histórico de crimes de Zé de Lessa
José Francisco Lumes nasceu em Cafarnaum, no Centro-Norte da Bahia, e despontou como um dos maiores criminosos do Estado. Segundo a polícia, ele é o líder do Bonde do Maluco (BDM).
Zé de Lessa era conhecido por assaltos a banco, carros fortes, tráfico de drogas e passagens na polícia por tráfico de drogas e roubo. Ele é acusado de fundar o BDM enquanto estava preso e, ao ser solto para terminar de cumprir a pena no regime domiciliar, continuou comandando de longe a facção. Ele estava morando próximo a fronteira do Paraguai, local onde suspostamente enviava carregamentos de drogas para abastecer sua quadrilha.

*Bocão News

Nenhum comentário:

Postar um comentário