Justiça do RJ proíbe cremação do corpo do miliciano Adriano da Nóbrega, morto na Bahia

A Justiça do Rio proibiu nesta última quarta-feira (12) a cremação do corpo do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega. O pedido de cremação havia sido feito pela família do ex-policial – para cremar qualquer corpo de morto por causas violentas é necessária autorização judicial.
A cerimônia estava prevista para as 10h desta quarta no Crematório do Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária do Rio.
Duas decisões proibiram a cremação. A primeira foi da juíza do plantão judiciário, Maria Izabel Pena Pieranti. No texto, ela diz que "que não se encontram preenchidos os requisitos previstos na Lei de Registros Públicos (lei 6.075/1973)". Segundo a juíza, não constam no pedido documentos imprescindíveis para a cremação, como a cópia da Guia de Remoção de Cadáver e o Registro de Ocorrência.

A juíza reitera, ainda, que Adriano não morreu de causas naturais e que, segundo consta em sua certidão de óbito, ele sofreu anemia aguda e politraumatismo causados por instrumento perfuro contundente.
Outra decisão é do Juiz Gustavo Kalil, do 4º Tribunal do Júri, onde Adriano era réu. Segundo o juiz, a cremação só poderá ocorrer após a realização de todas as diligências e confecção de todos os laudos periciais necessários para elucidação de tais circunstâncias.
Em uma rede social, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido) disse que recebeu uma denúncia de que havia a tentativa de pessoas de agilizar o processo crematório.

"DENÚNCIA! Acaba de chegar a meu conhecimento que há pessoas acelerando a cremação de Adriano da Nóbrega para sumir com as evidências de que ele foi brutalmente assassinado na Bahia. Rogo às autoridades competentes que impeçam isso e elucidem o que de fato houve", escreveu.
Rota de fuga
No Jornal Nacional de terça-feira (11), a TV Globo mostrou os esconderijos e a rota de fuga do miliciano, até ser baleado e morto por policiais em Esplanada, município na Bahia.
Ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar fluminense, Nóbrega era suspeito de comandar um grupo que cometeu dezenas de homicídios: o Escritório do Crime.

Expulso da corporação por envolvimento com jogo do bicho, Capitão Adriano (como era conhecido) foi homenageado, mais de uma vez, pelo então deputado estadual Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), hoje senador.
Antes de ser morto na operação, Nóbrega estava foragido há mais de um ano ao ser alvo de mandado de prisão expedido em janeiro de 2019.
A Secretaria de Segurança Pública da Bahia informou que o ex-capitão do Bope passou a ser monitorado por equipes do órgão a partir de informações de que ele teria buscado esconderijo na Bahia.
Segundo informações da pasta, Adriano foi localizado em um sítio de um vereador do PSL de Esplanada.
Na segunda-feira (10), a Corregedoria-Geral da Secretaria de Segurança Pública da Bahia abriu investigação sobre as circunstâncias da morte do miliciano.
O advogado de Nóbrega, Paulo Emílio Cata Pretta, disse acreditar que o ex-capitão da PM foi vítima de "queima de arquivo" e revelou que ele já temia ser assassinado. Para o secretário de Segurança da Bahia, Maurício Barbosa, a versão é "estapafúrdia".
Nóbrega foi um dos denunciados pelo Ministério Público do Rio na Operação Intocáveis, coordenada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco).
Quando a ação foi deflagrada, em janeiro de 2019, uma força-tarefa do MPRJ e da Polícia Civil prendeu cinco homens acusados de integrar uma milícia envolvida com crimes em Rio das Pedras e na Muzema, favelas de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio.
O ex-policial era um dos três integrantes considerados chefes do grupo e o único foragido daquela operação. Ao menos desde 2003, o ex-PM está envolvido com problemas na Justiça ou com a polícia.


*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário