Bolsonaro descarta aumento da Cide, tributo sobre combustíveis

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ontem (9) em uma rede social que “não existe a possibilidade” de o governo aumentar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), um dos tributos que incide sobre combustíveis. Desde a greve dos caminhoneiros, em 2018, a Cide está zerada para o diesel. Na gasolina, a cobrança é de R$ 0,10.
“NÃO existe possibilidade do Governo aumentar a CIDE para manter os preços dos combustíveis. O barril do petróleo caiu, em média, 30% (US$ 35 o barril). A Petrobras continuará mantendo sua política de preços sem interferências. A tendência é que os preços caiam nas refinarias”, escreveu Bolsonaro na publicação.

Os preços do petróleo recuaram ao redor de 20% depois que a Arábia Saudita cortou o preço de venda do barril e indicou o início de uma guerra de preços entre os grandes produtores. As ações da Petrobras desabaram mais de 25% nos primeiros negócios de hoje. Em poucas horas, a estatal perdeu mais de R$ 67 bilhões em valor de mercado.
Bolsonaro cobra há meses que a redução do preço dos combustíveis nas refinarias chegue ao consumidor, ele inclusive lançou um desafio aos governadores, em que levaria a zero os tributos federais que incidem sobre os combustíveis se os estados adotassem o mesmo procedimento em relação ao Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS). Os governadores classificaram o desafio como "irresponsável" e "populismo"


*Metro1

Nenhum comentário:

Postar um comentário