Auxílio emergencial: quem se cadastrou entre 7 e 10 de abril no aplicativo da Caixa e ainda está sob análise deve revisar o cadastro, diz Cidadania

O Ministério da Cidadania informou nesta última quinta-feira (23), em nota à imprensa, que os trabalhadores que se cadastraram no aplicativo Auxílio Emergencial da Caixa Econômica Federal (CEF) entre os dias 7 e 10 de abril, e que até o momento não foram confirmados como elegíveis, podem retornar ao aplicativo e revisar seu cadastro. 
Segundo o governo, foi feita uma nova atualização do aplicativo para facilitar novos cadastramentos e a revisão dos cadastros já realizados, que por diversas razões, não tiveram a sua elegibilidade confirmada.
Na nota, o ministério reforça que todas as pessoas que "forem elegíveis de acordo com a lei irão receber".

Segunda Parcela
A pasta anunciou na quarta (22) que não poderá antecipar o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600.

O pagamento da segunda parcela estava previsto para começar no dia 27. Mas, na última segunda (20), a Caixa anunciou a antecipação para última quinta (23).

Segundo o Ministério, no entanto, como muitas pessoas ainda não receberam a primeira parcela, seria necessária a abertura de crédito suplementar para garantir a antecipação da segunda, além do pagamento da primeira.

"Por fatores legais e orçamentários, pelo alto número de requerentes que ainda estão em análise, estamos impedidos legalmente de fazer a antecipação da segunda parcela do auxílio-emergencial", informou o governo federal.

Nesta última quinta, a pasta informou que produziu uma nota técnica sobre o tema e já solicitou ao Ministério da Economia uma "previsão para uma suplementação orçamentária o mais rápido possível".

"Após a definição da suplementação orçamentária a ser feita pelo Ministério da Economia, iremos completar o atendimento da primeira parcela e anunciar o calendário de pagamento da segunda parcela do Auxílio-Emergencial no mês de maio", acrescentou.

O recurso disponível para cada uma das três parcelas é de R$ 32,7 bilhões e, segundo o Ministério, já foram transferidos R$ 31,3 bilhões, e ainda serão avaliados cerca de 12 milhões de cadastros para a primeira parcela.

*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário