Coronavírus: as teorias que tentam explicar por que a Covid-19 também mata jovens saudáveis

A gravidade dos sintomas da Covid-19, a doença causada pelo coronavírus Sars-CoV-2, varia muito de caso para caso.

Enquanto 80% dos infectados apresentam sintomas leves ou semelhantes aos da gripe, no outro extremo do espectro, há aqueles que acabam com pneumonia e conectados a um respirador na UTI, onde o prognóstico nem sempre é otimista.

Os casos mais críticos geralmente ocorrem em pessoas idosas ou com comorbidades (doenças associadas), como hipertensão, diabetes ou cardiopatias, entre outras.
No entanto, dia após dia, são noticiados casos fatais em que as vítimas são aparentemente jovens, homens e mulheres saudáveis e até crianças.

Por quê? O que explica que pessoas que não estão no grupo de risco possam desenvolver os sintomas mais graves da doença ou até mesmo morrerem de Covid-19?

"Essa é a pergunta para a qual todos querem a resposta", diz Michael Snyder, professor e diretor do Departamento de Genética da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, à BBC Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC.

Mas, embora resolver esse enigma não seja uma tarefa fácil, os cientistas suspeitam de onde a resposta pode vir (uma combinação de fatores, dizem eles) e começaram a seguir diferentes linhas de pesquisa para esclarecê-lo.

Entender por que as pessoas que não são obviamente vulneráveis sucumbem à doença, dizem eles, permitirá identificar aqueles com maior risco, criar tratamentos novos e eficazes – incluindo uma vacina – e aproveitar melhor os medicamentos existentes.

A hipótese genética
Uma das teorias propostas e que está ganhando força é a da predisposição genética.

Isso se baseia na ideia de que nossas peculiaridades genéticas podem influenciar a virulência com a qual o coronavírus afeta nosso corpo.

"Não é uma ideia nova. A partir de estudos comparando gêmeos univitelinos e bivitelinos, sabemos que a suscetibilidade a grandes doenças infecciosas no mundo, como tuberculose, hepatite ou malária, varia em parte de acordo com as características genéticas", explica à BBC Mundo Stephen Chapman, especialista em doenças respiratórias e pesquisador em Genética Humana na Universidade de Oxford, Reino Unido.

Um exemplo que vários cientistas, incluindo Chapman, usam para explicar o peso da genética, é o do vírus herpes simplex.

É um vírus que circula amplamente na população e que pode causar infecções na boca ou na face, se for de um tipo, ou feridas nos órgãos genitais, se for de outro.

"A grande maioria das pessoas expostas ao vírus não fica gravemente doente, mas uma pequena minoria com uma única mutação genética desenvolve encefalite herpética (inflamação do cérebro), que pode ser fatal", diz Chapman.

Uma mutação semelhante, diz ele, poderia explicar casos graves de Covid-19 em jovens.

Um gene de interesse particular é aquele que codifica o receptor ACE2 (a enzima conversora de angiotensina 2 da proteína da superfície celular).

Localizado na superfície das células do pulmão e em outras partes do corpo, esse receptor é o portal usado pelo vírus para invadir as células das vias aéreas e começar a se replicar.

O gene que codifica esse receptor é polimórfico, ou seja, possui uma série de variantes comuns distribuídas na população.

"A hipótese é que, se você tem uma variante específica, a entrada do vírus na célula pode ser facilitada ou dificultada, ou seja, você pode ficar mais vulnerável ou mais resistente à doença", explica o especialista.

Na opinião de Jean-Laurent Casanova, professor e pesquisador da Universidade Rockefeller em Nova York, EUA, essas variações genéticas (ou, como ele as chama, erros inatos) "podem ficar latentes por décadas, até ocorrer uma infecção por um micro-organismo específico".

Por esse motivo, seu laboratório agora está investigando se é isso que está acontecendo com o novo coronavírus.

Chapman acredita que a vulnerabilidade provavelmente dependerá não da variedade de um gene, mas de vários genes, combinados com fatores adquiridos ao longo da vida.

Essas variações, observa ele, podem estar localizadas principalmente em genes ligados à resposta imune.

Cromossomo X
Outro aspecto interessante, diz o pesquisador, é se existem genes no cromossomo X que influenciam a resposta à doença, já que os homens parecem ser mais afetados pelo novo coronavírus do que as mulheres.

Uma das explicações dadas em um estudo realizado na China é que isso pode ser devido ao fato de terem hábitos de vida mais arriscados, relacionados ao tabaco e ao álcool.

No entanto, "outra possibilidade é a existência de um componente genético, uma vez que existem muitos genes de imunidade que estão no cromossomo X", diz Chapman.

"Se houver muitos polimorfismos ou uma mutação rara nos genes do cromossomo X, como os homens têm um, enquanto as mulheres têm dois, isso os tornaria mais vulneráveis".

Tempestade de citocinas
Em alguns pacientes com a forma mais grave de Covid-19, ocorre o que é conhecido como "tempestade de citocinas".

Citocinas (ou citocinas) são substâncias muito agressivas que o sistema imunológico excreta para atacar o vírus.

Mas quando o sistema imunológico é ativado excessivamente, essa proliferação de citocinas acaba atacando vários órgãos, incluindo os pulmões e os rins, e esse dano pode resultar na morte do paciente.

Segundo Randy Cron, especialista da Universidade do Alabama, nos EUA, essa condição afeta pelo menos 15% das pessoas que combatem qualquer infecção grave.

Não se sabe exatamente por que o sistema imunológico reage dessa maneira em algumas pessoas, mas a resposta também pode estar nos genes.

"Sabemos que existem muitos polimorfismos comuns e raras mutações nos genes que controlam o sistema imunológico", diz Chapman.

"Portanto, alguns pacientes que morrem podem ter polimorfismos ou mutações que os predispõem a uma resposta inflamatória mais excessiva."

Como geneticista, Michael Snyder de forma alguma subestima a importância dos genes, mas acredita que, nesse caso, há outro fator que poderia ter mais peso e que é ambiental: o contato anterior com outro coronavírus.

Exposição a outro coronavírus
"É muito provável que nesses casos", diz Snyder à BBC Mundo, "haja algo que sensibilize o sistema imunológico".

Sua suspeita aponta para "outro coronavírus que está circulando e de que não se fala muito, chamado HCoV-229E , e que produz o resfriado comum".

"Não sabemos se a infecção prévia por esse resfriado comum (que obviamente não é tão grave quanto a covid-19) pode torná-lo mais imune ou, pelo contrário, mais hipersensível" , diz o especialista.

"Mas acho que pode ter, de um lado ou de outro, um efeito muito forte", acrescenta.

"É possível que muitas pessoas tenham sido infectadas nos últimos anos (com esse coronavírus) e não o conheçam, porque o descartaram como um simples resfriado."

Carga viral
Outra causa da gravidade de alguns casos pode ser a carga viral no momento da exposição ao vírus.

"Sabemos de estudos na China que aqueles que cuidam de pacientes com covid-19 são mais suscetíveis que outros porque provavelmente estão expostos ao vírus todos os dias, durante todo o dia, durante o horário de trabalho", explica à BBC Mundo Alice Sinclair, virologista da Universidade de Sussex, no Reino Unido.

Coronavírus: o que é a carga viral dos pacientes e por que ela coloca os profissionais de saúde em risco
"Mas o que não sabemos é se isso se deve à quantidade de vírus a que estão expostos ou ao número de encontros que tiveram com ele."

"Em termos de carga viral, quanto mais exposição você tiver, maior a chance de o vírus infectar suas células, dentro das quais ele pode se replicar", acrescenta.

A resposta não é conclusiva, entre outras coisas, devido ao que foi descoberto recentemente sobre a carga viral do novo coronavírus, como o fato de uma pessoa assintomática poder produzir uma grande quantidade de vírus.

Ou seja, uma pessoa pode ter uma carga viral alta e não estar gravemente doente ou até apresentar sintomas.

É por isso que manter distância social é uma das medidas que os governos e profissionais de saúde mais enfatizam para evitar a propagação do vírus, diz o pesquisador.

Finalmente, a gravidade da doença pode depender não apenas do hospedeiro, mas também do próprio vírus, segundo especialistas consultados pela BBC Mundo.

Os vírus estão em constante mutação e é possível que exista uma cepa mais virulenta que outra, embora ainda não tenha sido possível determinar se esse é o caso do Sars-CoV-2. Quanto mais exposição ao vírus, mais oportunidades para ele entrar e se replicar em nossas células.

*G1/bemestar

Nenhum comentário:

Postar um comentário