Ministério da Saúde cancela coletiva na qual deveria apresentar detalhes de diretrizes sobre distanciamento

O anúncio das diretrizes para a saída do isolamento que seria feito nesta última quarta-feira (13) foi adiado. A reunião com os conselhos estaduais e municipais de saúde não chegou a um consenso. O ministro da saúde, Nelson Teich, afirmou na última segunda-feira (11) que era necessário debater com estados e municipios as diretrizes.

A coletiva de imprensa que revelaria o resultado desta conversa, marcada para a tarde da última quarta (13), foi cancelada. Em nota, o Ministério da Saúde informou que desde o último sábado (9), "a estratégia tem sido debatida com os conselhos dos secretários de saúde estaduais e municipais, o Conass e o Conasems".

"O objetivo era ter um plano construído em consenso. No entanto, esse entendimento não foi obtido nas reuniões conduzidas até o momento", diz a nota.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) divulgaram uma nota conjunta afirmando que acham o momento inoportuno para a pactuação e publicação das diretrizes sobre distanciamento social.

“Este é o momento de salvar vidas. Precisamos de um único consenso agora: a saúde e a vida das pessoas não pode esperar. União, estados e municípios devem somar esforços no enfrentamento da pandemia, para o bem de todos os brasileiros”, afirmou Alberto Beltrame, presidente do Conass.

Cloroquina: Bolsonaro x Teich
O cancelamento da coletiva ocorre ainda no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o remédio cloroquina e pediu ministros 'afinados' com ele. Isso porque Teich escreveu em sua conta no Twitter na terça-feira (12) que a cloroquina apresenta efeitos colaterais e que a prescrição deve ser feita em comum acordo entre paciente e médico. Um dos principais efeitos colaterais do remédio são complicações cardíacas; além disso, estudos recentes mostram que ela não teve eficácia contra o coronavírus.

"Todos os ministros são indicações políticas minhas e quando eu converso com os ministros eu quero eficácia na ponta. Nesse caso, não é gostar ou não do ministro Teich, é o que está acontecendo", disse Bolsonaro.

Debate das diretrizes com os conselhos
Na última segunda-feira (11) o ministro da Saúde, Nelson Teich, divulgou uma prévia das diretrizes que devem orientar estados e municípios em suas decisões sobre medidas de isolamento social contra o novo coronavírus.

“A gente vai tá sempre junto. Isso é um trabalho das três esferas, tanto nas ações, quanto do planejamento. Na quarta vamos apresentar de forma mais detalhada”. - Nelson Teich, ministro da Saúde
O primeiro ponto das diretrizes é a "Avaliação de Riscos Quantitativa", na qual o ministério lista 5 eixos que devem ser avaliados. A situação em cada um deles leva a uma pontuação que vai indicar a "definição dos níveis de distanciamento" e as "medidas a serem tomadas".

Segundo Teich, a ferramenta vai estar disponível para estados e municípios a partir de quarta-feira. No mesmo dia o ministério vai apresentar detalhes das diretrizes. Um dos pontos que o ministro disse que será esclarecido futuramente é qual a indicação de distanciamento em cada nível de risco.

O ministro disse que ainda vai conversar com representantes do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) sobre as diretrizes em busca de um consenso. Teich disse que já tinha conversado com os conselhos no sábado e que foi surpreendido nesta terça com reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" de que houve rejeição à proposta dentro dos órgãos.

*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário