Transformados em serviços essenciais, barbeiros e manicures vão deixar de rececer auxílio, diz colunista

O presidente Jair Bolsonaro planeja retirar de barbeiros e manicures o direito de receberem os R$ 600 do auxílio emergencial, após as funções terem sido enquadradas como serviços essenciais, nesta última segunda-feira (11). As informações são da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo. Um projeto de lei do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) que incluía mais categorias para receber o auxílio foi aprovada, porém o governo diz que essas categorias já foram contemplada na primeira lei sobre e que agora seria distribuído apenas àqueles que tem Bolsa Família ou Cadastro Único.


*varelanotícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário