Maia sugere corte nos Poderes para bancar auxílio de R$ 600

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou ontem (9) que o parlamento estaria disposto a debater uma redução temporária nos salários de todo o funcionalismo público federal para bancar a prorrogação do auxílio emergencial nos moldes atuais.

Segundo o G1, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que aceitaria manter os R$ 600 mensais, desde que deputados e senadores reduzissem os próprios salários para ajudar a financiar o programa. De acordo com Maia, esse orçamento só seria coberto se, além do Legislativo, os poderes Executivo e Judiciário também fizessem o sacrifício.

“Se todos os poderes topassem cortar um valor, que seja por 6 meses, 10%, ou um percentual maior por menos tempo para garantir os R$ 600, eu tenho certeza que o parlamento vai participar e vai defender. Não tem nenhum problema”, declarou Maia.

O auxílio emergencial de R$ 600 pago a informais, desempregados e famílias mais afetadas economicamente pelo coronavírus. A lei aprovada prevê três pagamentos, e o governo federal diz que, para estender por mais dois meses, terá que reduzir o valor para R$ 300.

*Metro1

Nenhum comentário:

Postar um comentário