Governo inicia readequações em escolas para volta às aulas; professores são contra retorno

O governo da Bahia, através da Secretaria de Educação do Estado (SEC), já está adotando algumas medidas visando a volta das aulas na rede estadual de ensino, a exemplo da adequação da infraestrutura, com a instalação de novos lavatórios nas escolas. No entanto, o Sindicato dos Professores e Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB-Sindicato) já se posicionou contra o retorno, apesar de ainda não ter data para a volta das aulas.

De acordo com a diretora APLB-Sindicato, Elza Melo, ao Metro1, a entidade de classe é contra o retorno das aulas presenciais "porque as escolas não oferecem nenhuma condição de receber alunos e trabalhadores em educação". "A APLB já entregou ao secretário da educação do Estado, do município de Salvador e dos municípios do estado da Bahia, há mais de um mês, um protocolo de retorno às aulas com todas as exigências apresentadas pela OMS, entidades sanitárias, especialistas da saúde. Nesse momento em que já falam em retorno, somos radicalmente contra", disse.

Em nota enviada ao Metro1, a SEC enfatizou que "o retorno às aulas ainda não está definido" e que "as aulas só serão retomadas em condições de segurança, em consonância com o restante do país e seguindo as melhores práticas e experiências do mundo, de forma segura e sustentável". "A definição do momento do retorno às aulas se dará a partir da indicação das autoridades de Saúde do Governo do Estado, no tempo adequado e seguindo os protocolos de segurança", disse.

Ainda segundo a SEC, "os protocolos de segurança e o calendário de retorno às aulas serão debatidos com entidades e instituições pertinentes (UPB, UNDIME, UNCME, SINPRO, APLB, SINEPE, Conselho Estadual de Educação do Estado da Bahia, Fórum Estadual da Educação, Fórum de Gestores e universidades públicas e privadas, além de representações estudantis, seguindo a prática do diálogo, da colaboração e da construção coletiva".

Questionada pelo Metro1 sobre uma possível carta de professores em que teria apontado sobre a possibilidade de retorno no dia 31 de agosto, a SEC negou.

"A Secretaria da Educação do Estado da Bahia adverte sobre a disseminação de notícias falsas. Um fragmento de documento interno, retirado de seu contexto, está sendo usado para desinformar a população, criando a falsa ideia de retorno iminente às aulas. Tal documento, um exercício meramente hipotético de calendário feito com os professores para construir, conjuntamente, as 'Trilhas do Saber', traz expressamente o aviso de que 'até que os indicadores de monitoramento da Covid-19 se estabilizem no Estado, não há previsão de retorno' - trecho omitido propositadamente para induzir os leitores a erro", pontuou.

*Metro1

Nenhum comentário:

Postar um comentário