Bahia é o estado com maior taxa de desocupação no 2º trimestre deste ano, aponta IBGE

Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta última sexta-feira (28), houve um avanço na taxa de desocupação em 11 estados do Brasil, no 2º trimestre deste ano, em comparação aos três primeiros meses de 2020.

O estado da Bahia lidera o ranking de maiores taxas, ao contrário do Amapá e do Pará que houve uma queda de -5,8 e -1,6 pontos percentuais, respectivamente. As maiores taxas foram observadas na Bahia (19,9%), Sergipe (19,8%), Alagoas (17,8%), Amazonas (16,5%), Rio de Janeiro (16,4%) Roraima (16,3%) e Maranhão (16,0%), enquanto as menores em Santa Catarina (6,9%), Pará (9,1%), Rio Grande do Sul (9,4%) e Paraná (9,6%).

Os estados que tiveram maior avanço na taxa de desemprego foram Sergipe (4,3 pontos percentuais), em Mato Grosso do Sul (3,7 p.p), em Rondônia (2,3 p.p) e no Rio de Janeiro (1,9 p.p.). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).
No Brasil, o número de desalentados representa 5,6 milhões de pessoas, com alta de 19,1% em relação ao trimestre anterior. O maior contigente estava a na Bahia com 849 mil pessoas desalentadas.

Brasil: Grupo mais afetado

No 2º trimestre de 2020, a taxa de desocupação foi 12,0% para os homens e 14,9% para as mulheres. Para brancos (10,4%) a taxa ficou abaixo da média nacional, mas para pretos (17,8%) e pardos (15,4%) ficou acima. Os grupos etários de 14 a 17 (42,8%) e de 18 a 24 anos (29,7%) continuaram com as maiores taxas.

A taxa de desocupação para o contingente de pessoas com ensino médio incompleto foi a maior, com 22,4%. O índice para quem tinha nível superior incompleto foi de 15,8%, mais que o dobro da verificada para aqueles com nível superior completo, 6,4%.

*varelanotícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário