Correios: sindicato rejeita decisão e sugere que funcionários mantenham greve; categoria se reúne nesta terça


Os funcionários dos Correios não devem encerrar a greve, apesar do reajuste salarial de 2,6% anunciado ontem (21). 

A paralisação foi iniciada em 17 de agosto. "Para nós, a greve continua. Não dá para aceitar o que os ministros do TST Tribunal Superior do Trabalho (TST) fizeram conosco", afirmou José Rivaldo da Silva, secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT), ao G1. 

"Amanhã - hoje (22) -, não vamos voltar ao trabalho, vamos debater o que vai acontecer com a gente". "Não podemos permitir esse ataque, que representa a retirada de até 40% da remuneração dos trabalhadores em meio à pandemia que assola todo o mundo. Uma atitude covarde que os trabalhadores e trabalhadoras não vão aceitar, pois a luta é pelo sustento das milhares de famílias que dependem dessa remuneração", diz um comunicado divulgado pela categoria. 

Nesta terça, a federação agendou assembleias com os sindicatos filiados e com os profissionais da categoria para definir sobre a continuidade da paralisação. Em decisão do TST, caso os Correios não voltem aos postos de trabalho, os funcionários deverão pagar multa diária de R$ 100 mil.

*metro1

Nenhum comentário:

Postar um comentário