'Já mandei cancelar', diz Bolsonaro sobre protocolo de intenções de vacina do Instituto Butantan em parceria com farmacêutica chinesa


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta última quarta-feira (21) que já mandou cancelar o protocolo de intenções de compra de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac.

O anúncio do protocolo de intenções havia sido feito nesta terça-feira (20) pelo Ministério da Saúde após uma reunião entre o titular da pasta, Eduardo Pazuello, e governadores. O de São Paulo, João Doria (PSDB), participou – o Butantan é vinculado ao governo paulista.

"Houve uma distorção por parte do João Doria no tocante ao que ele falou. Ele tem um protocolo de intenções, já mandei cancelar se ele [Pazuello] assinou. Já mandei cancelar. O presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade. Até porque estaria comprando uma vacina que ninguém está interessado por ela, a não ser nós", afirmou Bolsonaro.

O presidente deu a declaração durante visita a um centro militar da Marinha em Iperó (SP).

Mais cedo, ele já havia afirmado em suas redes sociais que o governo não iria adquirir "vacina da China".

Após essa declaração, o Ministério da Saúde fez um novo anúncio, por meio do qual o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, disse que o protocolo de intenções firmado com o Butantan não tem caráter vinculante. Afirmou ainda que "não há intenção de compra de vacinas chinesas". O ministro Pazuello não participou desse novo anúncio.

Depois, o Ministério da Saúde retirou do site da pasta o comunicado sobre o protocolo de intenções.

Em reunião, Pazuello citou 'compromisso de aquisição'

Durante a reunião com os governadores na terça, o ministro Pazuello citou uma carta para o Butantan e falou em "compromisso da aquisição das vacinas que serão fabricadas até o início de janeiro".

"Nós já fizemos uma carta em resposta ao ofício do Butantan e essa carta, ela é o compromisso da aquisição das vacinas que serão fabricadas até o início de janeiro, em torno de 46 milhões de doses. E essas vacinas servirão para nós iniciarmos a vacinação ainda em janeiro", disse Pazuello.

Em um ofício datado da última segunda-feira (19), o ministro informou ao Butantan sobre a "intenção deste Ministério da Saúde em adquirir 46 milhões da referida vacina (Vacina Butantan-Sinovac/Covid-19), em desenvolvimento pelo Instituto Butantan, ao preço estimado de US$ 10,30 (dez dólares e trinta centavos) por dose" (veja mais no vídeo abaixo).

Bolsonaro afirmou que ao valor "seria uma importância bastante absurda".

'Interpretação equivocada'

Antes do anúncio da possível compra da CoronaVac, o Ministério da Saúde havia dito que a previsão era ter 140 milhões de doses no primeiro semestre de 2021:

  • 40 milhões via iniciativa COVAX Facility, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS);
  • e 100 milhões de doses via AstraZeneca/Oxford (além dessas doses, no segundo semestre, o governo pretende produzir 165 milhões de doses deste imunizante).

A pasta informou, ainda nesta terça, que "somadas, as três vacinas – AstraZeneca, Covax e Butantan-Sinovac – representam 186 milhões de doses, a serem disponibilizadas ainda no primeiro semestre de 2021".

Já nesta quarta – antes da manifestação de Bolsonaro no interior de São Paulo –, o secretário-executivo do Ministério da Saúde disse, sobre a reunião de Pazuello com governadores, que "houve uma interpretação equivocada da fala do ministro da Saúde" e que "em momento nenhum a vacina foi aprovada pela pasta".

"Não há intenção de compra de vacinas chinesas. A premissa para aquisição de qualquer vacina prima pela segurança, eficácia, ambos conforme aprovação da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária], produção em escala e preço justo", declarou o secretário.

O governador de São Paulo deu a declaração em uma entrevista coletiva no Senado, durante uma visita à capital federal, cuja programação também previa reuniões na Anvisa e no Supremo Tribunal Federal, com o presidente da Corte, ministro Luiz Fux.

Segurança da CoronaVac

A CoronaVac está na terceira fase de testes. Nesta segunda-feira (20), o governo de São Paulo afirmou que 35% dos nove mil voluntários que participam dos testes no Brasil apresentaram reações adversas leves.

Segundo o governo, não houve registro de efeitos colaterais graves e a vacina pode ser considerada segura.

A informação faz parte de um estudo parcialmente apresentado em entrevista coletiva. O estudo, no entanto, não foi publicado em revista científica. Ainda não há dados sobre a eficácia da CoronaVac.

Segundo o governo, essas informações serão apresentadas até o fim do ano. Embora Doria tenha garantido anteriormente que a vacina começaria a ser aplicada em profissionais de saúde no dia 15 de dezembro, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse na segunda que a data para liberação ainda é incerta.

Para ser aprovada pela Anvisa, é necessário que a eficácia da vacina também seja comprovada.

*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário