Produção industrial na BA registra queda de 0,1% e tem resultado pior que a média nacional em outubro, aponta IBGE


Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado nesta última quarta-feira (9), revelou que a produção industrial na Bahia registrou uma queda de -0,1% em outubro, comparado ao mês de setembro, ficando com um resultado pior que a média nacional.

Segundo a pesquisa, o resultado negativo ficou abaixo do desempenho nacional (1,1%). O estado teve a quarta maior queda comparado ao mesmo mês em 2019, ficando à frente apenas de Espírito Santo (-7,6%), Goiás (-9,6%) e Mato Grosso (-11,7%).

Além de apresentar resultado negativo comparado ao mês anterior, em relação a outubro de 2019, a produção industrial baiana também seguiu em queda (-6,5%) pelo sétimo mês consecutivo (cai desde abril). O ritmo da queda voltou a se intensificar, já que em setembro, o resultado da comparação havia sido de -1,4%.

Entre janeiro a outubro de 2020, a produção da indústria baiana acumula perda de -6,9%, em relação ao mesmo período em 2019. O resultado é um pouco pior que o do Brasil como um todo (-6,3%), de acordo com o levantamento.

Diferentemente do que ocorre no Brasil como um todo, o setor fabril da Bahia ainda não se recuperou das perdas registradas desde o início da a pandemia da Covid-19, mantendo uma queda acumulada na produção de -7,6% entre os meses de março e outubro.

Dos 15 locais pesquisados pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) Regional, 8 apresentaram crescimento na passagem de setembro para outubro. Os melhores desempenhos ocorreram no Paraná (3,4%), Pernambuco (2,9%) e Santa Catarina (2,8%). Já o Rio de Janeiro (-3,9%), Goiás (-3,2%), Pará (-1,8%) e Espírito Santo (-1,8%) tiveram as maiores quedas.

Atividades industriais

O recuo na produção industrial da Bahia na comparação com outubro de 2019 (-6,5%) refletiu as quedas tanto na indústria extrativa (-10,1%), quarto recuo consecutivo, quanto na indústria de transformação (-6,3%), sétima queda seguida.

Entre onze atividades industriais de transformação analisadas pela pesquisa, a Bahia registrou queda em apenas cinco setores, com destaques para a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (-32,4%) e a fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (-6,9%). Os valores puxam os números gerais da produção baiana para baixo, em outubro.

Já a indústria automobilística da Bahia cai seguidamente desde fevereiro e se mantém com o pior desempenho no ano de 2020 (-45,1%), frente ao mesmo período de 2019.

Apesar da queda não tão acentuada, o segmento de derivados de petróleo é o mais representativo na estrutura industrial baiana e teve, em outubro, seu segundo resultado negativo após um ano de crescimentos consecutivos, inclusive durante a pandemia (a produção aumentou mês a mês entre agosto de 2019 e agosto de 2020).

Entre as 6 atividades industriais com aumento de produção, os principais destaque, tanto em termos de magnitude da taxa, quanto em contribuição para segurar a queda da indústria baiana no mês de outubro, vieram da fabricação de outros produtos químicos (7,1%) e da fabricação de celulose, papel e produtos de papel (7,1%).


*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário