'Me abraçou e chorou junto comigo', diz mãe de médico morto sobre suspeito do crime

Foto: Aldo Matos / Acorda Cidade

A mãe do médico acreano Andrade Lopes Santana, de 32 anos, Dormitília Lopes, conversou com o G1 na manhã do último sábado (29) e contou que o principal suspeito do crime a abraçou e chorou quando ela chegou em Araci, cidade onde o filho morava na Bahia. O médico estava desaparecido desde o dia 24 de maio e foi encontrado amarrado a uma âncora na sexta-feira (28) no Rio Jacuípe, em São Gonçalo dos Campos.

"Ele me abraçou, chorou comigo, dizia que sentia minha dor. Quando chegou algemado na delegacia com um casaco na cabeça eu disse: 'Júnior, tu matou meu filho, por que fez isso?’. Ele tentou balançar a cabeça com o casaco. Algumas pessoas gritavam 'assassino'. Se a polícia não estivesse lá tinham linchado ele", relembrou.

Horas após o corpo de Santana ter sido achado, Geraldo Freitas foi preso. O homem foi o responsável por registrar o desparecimento do amigo na delegacia de Feira de Santana.
Dormitília e mais seis parentes do médico chegaram a Araci logo que foram informados do desaparecimento de Santana. Na cidade, o suspeito do crime, que é colega do médico e foi identificado como Geraldo Freitas, recebeu Dormitília e lamentou o sumiço do rapaz.

Dormitília conta que, depois, perdoou o suspeito e não guarda rancor dele.

"Não consigo ter rancor, ódio e nem desejo de vingança do assassino. Perdoei porque nosso único caminho é perdoar, não existe outro caminho, se você quiser ir para o céu, se não for perdoar", afirmou.

Na manhã desse último sábado, o corpo do médico foi enterrado no Cemitério Paroquial de Araci. Uma multidão acompanhou o cortejo.

Desejo da mãe morar na Bahia
Andrade Santana se mudou para a Bahia em 2016. Segundo a mãe, ele buscava mais oportunidades quando foi embora. As investigações apontam que o suspeito do crime estudou medicina com Andrade em uma faculdade na Bolívia. Concluído o curso, os dois se mudaram para o interior da Bahia para trabalhar.

Dormitília disse que não lembra de ter conhecido Geraldo. Na época da faculdade, o médico morava em Brasileia, interior do Acre, com a mãe, e estudava na Bolívia. Atualmente, após ter casado novamente, a mulher mora em Epitaciolândia, cidade vizinha.

"Não gostou quando soube que eu tinha me casado porque o projeto dele era eu cuidar das coisas dele, ser tipo uma assessora. Não queria que eu casasse, queria que eu fosse morar na Bahia", relembrou.

A última vez que Andrade esteve no Acre foi em maio de 2019, quando deu um carro de presente para a mãe no Dia das Mães. Ele comprou o carro em um leilão e veio dirigindo até o estado acreano para fazer uma surpresa para Dormitília.

No final do mesmo ano, ela viajou para a Bahia para visitar o filho. Por conta da pandemia, a mãe não viu mais o filho vivo.

"A gente conversava por mensagem, de vez enquanto nos falávamos, mas não me falou nada desse amigo. Veio para o Acre deixar um carro de presente dos Dia das Mães em 2019. Me casei de novo, veio a pandemia e não podia sair muito, estava esperando meu esposo e eu nos vacinar para andar de novo. No final do ano de 2019, ele comprou as passagens para que eu fosse vê-lo. Fiquei uns oito dias porque ele estava muito cansado, não podia ficar muito comigo, fiquei pouco tempo", destacou.

Conforto
O desejo da família era de que o corpo do médico fosse cremado e as cinzas trazidas para o Acre. Contudo, por ter sido vítima de um crime violento, o corpo foi enterrado no estado baiano mesmo. Conforme a mãe, uma amiga do filho vai ficar acompanhando o processo e, quando for possível, a família vai buscar os ossos para trazer para o estado acreano.

"O corpo não vai mais para Brasileia porque queremos que termine o processo, o assassino é muito experto e pode pedir a exumação e vai prescrever ou outra coisa. Preferimos deixar aqui, uma amiga dele vai cuidar de tudo até dar tempo de levar os ossos dele para o Acre", afirmou.

Mesmo abalada, Dormitília disse que ficou surpresa com o carinho e amor que os moradores do estado tinham pelo filho. Os amigos e colegas de profissão falaram para ela que o médico era muito dedicado, atendia pessoas de graça e fazia atendimentos em locais de difíceis acesso.

Esses relatos, segundo a mãe, trouxeram um pouco de conforto.

"Estou me sentido muito confortável por ver o que meu filho fazia pelos outros. Ele viveu intensamente a vida ajudando o próximo. Você não ouve uma pessoa dizer que ele era ruim, que negou alguma coisa. Segundo o relato dos amigos, traziam as pessoas de madrugada, de dia para consultar e ele só de calção ou de sandália puxava a cadeira e atendia de graça. Ele agia assim, fazia ações solidárias nas colônias, andava a cavalo, a pé, descalço e fazia de tudo pelo povo que necessitava de ajuda", finalizou.

Investigações
De acordo com o delegado Roberto Leal, que é coordenador de polícia na região de Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Araci, o suspeito chegou a receber os familiares da vítima, que moram no Acre, quando eles chegaram na Bahia. Ele informou ainda que a polícia investiga se há participação de outras pessoas, além da motivação do crime.

"Até o presente momento é uma incógnita para nós”, disse Roberto Leal.
De acordo com os peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT), foi constatado um disparo de arma de fogo na nuca e uma corda no braço amarrada a uma âncora para o corpo não emergir nas águas do rio Jacuípe.

O delegado informou que a polícia começou a suspeitar de Geraldo Freitas após contradições apresentadas no depoimento. Depois, foi identificado que ele foi quem comprou a âncora encontrada com o corpo da vítima.

Ainda segundo a polícia, o suspeito e a vítima tinham combinado de andar de moto aquática. A versão apontada pelo colega de Andrade na delegacia era a de que o amigo tinha comentado que sairia para comprar a moto, o que foi descartado.

Uma moto aquática foi encontrada no condomínio onde o suspeito foi preso, no início da tarde de sexta-feira, em Feira de Santana.

Desaparecimento
Andrade havia desaparecido na segunda-feira (24), depois de sair de Araci, a 220 km de Salvador, com destino a Feira de Santana. Natural do Acre, o médico se mudou para a Bahia em 2016, para exercer a medicina. Ele trabalhava como psiquiatra em uma unidade de saúde de Araci e em mais outras três cidades baianas.

Ele saiu de casa sozinho, pouco depois de meio-dia de segunda, para comprar uma moto aquática e encontrar com um amigo, no Rio Jacuípe, em Feira de Santana. O amigo disse que ele chegou a enviar uma mensagem que dizia que tinha entrado na cidade. Desde então, não foi mais visto e nem deu notícias.

O veículo dirigido pelo médico foi achado por policiais rodoviários na região de Conceição do Jacuípe, na BR-101, no mesmo dia em que ele desapareceu. O carro estava ao lado de um barranco, trancado e sem marcas de acidente.

As informações foram dadas por amigos, que procuraram a polícia, pois o médico não tinha parentes na Bahia. O caso foi registrado na 2ª Delegacia de Feira de Santana, pelo amigo de Andrade, que foi preso.

Na madrugada de quinta (27), a mãe dele, Domitília Lopes, e mais seis pessoas da família chegaram em Feira de Santana para acompanhar as investigações sobre o desaparecimento do médico.

*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário