Covid-19: Pfizer entrega ao Brasil 842 mil doses da vacina pelo consórcio Covax Facility

Foto: Emerson Dias/Prefeitura de Londrina/Divulgação

Um avião com cerca de 842 mil doses da vacina produzida pela Pfizer pousou na tarde deste último domingo (20) no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). Este é o primeiro carregamento enviado ao país pela farmacêutica por meio do consórcio global Covax Facility. Outros 14 lotes do imunizante contra Covid-19 já foram recebidos, todos pelo contrato direto com o Ministério da Saúde.

O voo, vindo de Miami (EUA), pousou em Viracopos por volta de 16h15, segundo a assessoria da Pfizer. O descarregamento foi acompanhado pela Polícia Federal (PF), que também fará a escolta da carga até Guarulhos (SP), onde fica o centro de distribuição do Ministério da Saúde.

Até a chegada da vacina da Pfizer neste domingo, o Ministério da Saúde havia recebido e distribuído cerca de 5 milhões de doses do consórcio global liderado pela OMS e aliança GAVI. Nos lotes anteriores, todas as doses eram da AstraZeneca/Oxford, fabricada na Coreia do Sul.
O contrato com a Covax prevê 42,5 milhões de doses de vacinas Covid-19 até o fim do ano.

Contrato da Pfizer com Ministério da Saúde
A farmacêutica americana já enviou ao Brasil outros 14 lotes com vacinas, totalizando 10,7 milhões das 200 milhões de doses do imunizante desenvolvido pela Pfizer/BioNTech contratadas diretamente pelo governo federal. A farmacêutica diz que vai cumprir o cronograma de entrega total até o final de 2021.

As entregas
A Pfizer utilizou o Aeroporto de Viracopos para todas as entregas ao Brasil até agora. A primeira remessa teve 1 milhão de doses e foi recebida pelo país em 29 de abril, em cerimônia que contou com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Remessas entregues

  • 29/04: 1 milhão de doses
  • 05/05: 628.290 mil doses
  • 12/05: 628.290 mil doses
  • 19/05: 629.460 mil doses
  • 26/05: 629.460 mil doses
  • 01/06: 936 mil doses
  • 02/06: 936 mil doses
  • 03/06: 527.670 mil doses
  • 08/06: 526.500 mil doses
  • 09/06: 936 mil doses
  • 10/06: 936 mil doses
  • 15/06: 530 mil doses
  • 16/06: 936 mil doses
  • 17/06: 936 mil doses
Armazenamento
No fim de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou novas condições de conservação e armazenamento para a vacina da Pfizer, que agora pode ser mantida em temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC por até 31 dias. A orientação anterior era de cinco dias.

Antes da liberação dos frascos para a vacinação, as doses da Pfizer precisavam ser armazenadas em caixas com temperaturas entre -25°C e -15°C por, no máximo, 14 dias. Tais condições não permitiam que a vacina fosse enviada para municípios distantes mais que 2h30 da capital do estado.

Histórico
A vacina da Pfizer/BioNTech foi alvo de recusa e polêmicas dentro do governo federal. Ainda no ano passado, três ofertas formais para venda de 70 milhões de doses foram feitas pela empresa e ficaram sem resposta do Ministério da Saúde.

Também em dezembro, o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, descartou a compra da vacina por causa da exigência de armazenamento em baixas temperaturas.

A vacina foi a primeira a obter registro sanitário definitivo pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em fevereiro deste ano.

O imunizante pode ser aplicado em pessoas a partir de 12 anos de idade, em duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas. A vacina é a única que pode ser aplicadas em menores de 18 anos no Brasil.

Inicialmente a autorização da Anvisa permitia o uso a partir de 16 anos. Mas o órgão autorizou a mudança na bula da vacina no país. Entretanto, ainda não há perspectivas de vacinação dessa faixa etária no Brasil.

A ampliação da idade em adolescentes foi aprovada depois de a Pfizer apresentar estudos que indicaram a segurança e eficácia da vacina para este grupo. Os estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência.


*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário