Para evitar ação, Carrefour paga R$ 115 milhões; família de Beto recebe R$ 5 mi

João Alberto foi espancado em loja e morreu. | Foto: Arquivo pessoal

Na última semana, o Carrefour, rede de supermercados, aceitou pagar R$ 115 milhões em ações de reparação à sociedade para afastar abertura de ações judiciais pela morte de João Alberto Freitas, conhecido como Beto. Ele foi espancado por seguranças em uma unidade de Porto Alegre, em novembro de 2020.

O valor é 22 vezes os R$ 5,2 milhões destinados aos familiares do homem negro morto, segundo divulgado pelo site UOL.

A primeira quantia faz parte de um TAC (termo de Ajustamento de Conduta) acertado com entidades públicas e organizações do movimento negro para reparar danos morais e descartar abertura de ações judiciais.
De acordo com o Conselho Nacional do Ministério Público, o valor é o mais alto para um acordo do tipo para combate ao racismo e será destinado à concessão de bolsas de estudo para pessoas negras, além de campanhas de combate ao racismo. 

Já o dinheiro destinado à família, foi negociado diretamente com o Carrefour e faz parte de outro acordo. Os parentes de Beto precisaram assinar termos de confidencialidade porque os acordos são sigilosos. 

O Carrefour informou que nove familiares de João Alberto foram indenizados.


*Bahia Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário