Policiais dizem ter atirado 125 vezes durante ação para prender Lázaro Barbosa, cita boletim de ocorrências

Lázaro Barbosa — Foto: Reprodução

A polícia disse ter atirado 125 vezes durante a ação para prender Lázaro Barbosa, conforme cita o boletim de ocorrências obtido pelo G1. O criminoso morreu após a troca de tiros na manhã de ontem (28) depois de 20 dias fugindo de uma força-tarefa com mais de 270 agentes.

A Secretaria de Saúde de Águas Lindas informou que criminoso foi atingido com pelo menos 38 tiros, mas só a perícia vai poder confirmar.

De acordo com relato da Polícia Militar, os tiros foram efetuados pelas pistolas Sig Sauer calibre 9mm, Taurus calibre 9 mm e um fuzil calibre .556.

O secretário de Segurança Pública Rodney Miranda afirmou, na manhã desta última segunda-feira (28), que Lázaro Barbosa descarregou uma pistola contra os policiais ao ser encontrado em Águas Lindas de Goiás, no entorno do DF.

"Ele descarregou a pistola contra os policiais e não tivemos outra alternativa se não revidar", afirmou Rodney.

A corporação relatou ainda que estava percorrendo um córrego quando Lázaro foi visto saindo correndo, aparentemente tentando se esconder do helicóptero da Casa Militar que sobrevoava a mata.

Ainda conforme os policiais, neste momento, eles começaram a ser alvos de disparos de arma de fogo, "a princípio sem saber de onde vinham". Em seguida, conforme a PM, a equipe conseguiu identificar que o criminoso estava dentro de um arbusto "bem fechado".

Conforme a corporação, foi pedido para que ele soltasse a arma e se entregasse "porém os disparos não cessaram". Com isso, a policia disse que não teve outra alternativa "que não o revise armado".

Em conversa com jornalistas, Miranda afirmou que Lázaro foi se encontrar com a ex-mulher e a mãe dela. Pouco antes de a polícia encontrar Lázaro, a ex-mulher do fugitivo foi levada para prestar depoimento.

"Ele foi se encontrar com elas [ex-mulher e sogra]. A informação é de que ele chegou lá, deve ter se alimentado e quando os policiais chegaram ele tentou fugir", afirmou.


*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário