Enfermeira suspeita de imunizar homem fora de grupo prioritário na BA aplicou vacina de hepatite, diz investigação do MP

Foto: Vinícius Schmidt/Metrópoles

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) revelou nesta última quarta-feira (18) que o procedimento para apuração de improbidade sobre o caso de uma enfermeira, flagrada por uma câmera de segurança vacinando um homem, que não pertencia ao grupo prioritário da 1ª fase de vacinação contra a Covid-19, foi arquivado. O caso aconteceu em Cruz das Almas, no recôncavo baiano.

Segundo o promotor de Justiça Adriano Marques, tanto o inquérito policial quanto o procedimento para apuração de improbidade foram arquivados porque todos os elementos informativos apontaram que a vacina usada não foi contra a Covid-19, mas para imunização de hepatite.

No documento de promoção do arquivamento, no qual o G1 teve acesso, o promotor afirma que exames demonstraram que o homem não estava imunizado pela vacina CoronaVac e estava imunizado contra a hepatite B.
De acordo com o Ministério Público da Bahia, não foi comprovada qualquer prática de desvio de vacina.

O caso aconteceu no dia 20 de janeiro deste ano. Na época, a prefeitura de Cruz das Almas informou que existia a suspeita de que o homem, que aparece nas imagens sendo vacinado, fosse namorado da funcionária.

A prefeitura relatou em janeiro que a dose que o homem teria recebido seria aplicada em uma idosa, residente de um asilo da cidade, que recusou a imunização. Entretanto, no relatório de vacinação da cidade constava que a idosa, que tinha se recusado a ser vacinada, tinha sido imunizada.

As imagens da câmera de segurança mostram que uma funcionária abre a porta do asilo, o homem chega e suspende uma das mangas da camisa. A enfermeira passa um algodão no braço dele e aplica a vacina.

Ainda em janeiro, a prefeitura afirmou que abriu um processo administrativo para apurar a denúncia contra a servidora da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e que pediria para a enfermeira ser afastada das funções até a que as investigações fossem concluídas.

*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário