Operação cumpre mandados de busca e apreensão na Bahia por crimes na contratação de UTIs

Foto: Divulgação

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco), do Ministério Público da Bahia, participou na terça-feira (18) das ações desencadeadas pela “Operação Ethon”, que investiga um esquema de desvio de milhões de reais em dois contratos destinados ao fornecimento emergencial de leitos de UTIs. 

O esquema, instalado no Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF), aconteceu entre o período de março a outubro de 2020. Com isso, a operação cumpre 61 mandados de busca e apreensão em cidades da Bahia, Distrito Federal e outros municípios do Amazonas, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins. Os trabalhos são conduzidos pelo Gaeco do Distrito Federal em conjuntos com a 3ª e a 4ª PROSUS.

As empresas contratadas foram a Domed, que forneceu 50 leitos no Hospital Regional de Santa Maria, e a Organização Aparecidense de Terapia Intensiva (OATI), que forneceu 20 leitos no Hospital de Base e outros 10 na UPA de São Sebastião.
Além do superfaturamento de preços ofertados pelas empresas que participaram da seleção e do direcionamento das contratações em favor da Domed e da OATI, as investigações também apontaram que as empresas não forneceram insumos, medicamentos e mão de obra em quantidade e qualidade exigidos. As ilegalidades praticadas tiveram como consequência a ocorrência de altíssimas taxas de mortalidade nos leitos de UTIs de alguns hospitais administrados pelas empresas.


*Metro1

Nenhum comentário:

Postar um comentário