Imersão em água gelada pode ajudar a reduzir ansiedade e depressão

© iStock

Imagine estar numa banheira repleta de gelo durante alguns minutos. Há anos que a prática, conhecida como crioterapia, é usada por muitos atletas profissionais como terapia de recuperação muscular após a prática de exercício intenso ou de longa duração. E agora a técnica está ganhando novos fãs, explica o jornal Metrópoles, mais especificamente pessoas que a encaram como um possível método para lidar com o stress e a ansiedade. 
 
Wim Hof popularizou a técnica que combina exposição ao frio com respiração e meditação de forma a controlar a mente.

"A decisão de entrar numa banheira de gelo gera stress no corpo, mas só é negativo quando não é uma escolha feita por nós", disse ao jornal Metrópoles o educador físico Rodrigo Salu Lima, professor fundador da escola Pratique Movimento de Brasília e praticante da técnica.

Segundo o acadêmico o stress inicial instiga a libertação de hormônios como noradrenalina e cortisol, que destabilizam positivamente o corpo. 
Quais são os benefícios?

O jornal Metrópoles informa que além de ser revigorante e atenuar a fadiga, estudos preliminares apontam que os banhos gelados ajudam a lidar com o stress, a ansiedade, o luto e a depressão, melhorando o humor e o bem-estar. Contudo, até ao momento as pesquisas sobre o tema ainda são limitadas.

"As pessoas ficam mais atentas e calmas ao longo do dia, com disposição para estudar, trabalhar sem ficar muito agitada. É muito comum as pessoas relatarem que se livraram de medicamentos para a depressão", referiu Lima.

Algumas pesquisas indicam ainda que a imersão em água fria contribui para o aumento de substâncias químicas cerebrais que regulam o humor, nomeadamente a dopamina.

Adicionalmente, o professor salientou que a imersão no gelo deve ser feita sob a orientação de um profissional qualificado e até mesmo de um médico para consequências negativas para a saúde.


*Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário