Delegado que investiga mortes de empresário e funcionário de pousada de luxo na BA é transferido

Foto: Reprodução/TV Bahia

O delegado Rafael Magalhães, responsável pelas investigações das mortes do empresário Leandro Troesch, e do funcionário Marcel da Silva Vieira, conhecido como Billy, foi transferido da delegacia de Jaguaripe para Santo Antônio de Jesus.

A decisão da Polícia Civil foi publicada no Diário Oficial desta última quinta-feira (7). O documento assinado pela delegada-geral Heloísa Campos de Brito não explica o motivo da mudança.

De acordo com o Diário Oficial, o delegado a Cristóvão Eder Maia de Oliveira, da Delegacia Territorial (DT) de Cruz das Almas vai atuar em Jaguaripe.

A Polícia Civil da Bahia informou que a transferência de delegados, escrivães e investigadores é procedimento de praxe e ocorre regularmente, de forma transparente e pública, por meio do Diário Oficial do Estado, de acordo com os critérios internos da Instituição.
Segundo a polícia, a alteração na Delegacia Territorial (DT) de Jaguaripe foi apenas uma das mudanças realizadas neste mês.

Rafael Magalhães contou que descobriu a transferência após ouvir a amiga da esposa de Leandro Troesch, Maqueila Santos Bastos, presa em Salvador, nesta quinta-feira.

“Tenho quase 30 anos de Polícia Civil, acho um absurdo, uma falta de respeito ter me transferido assim, a toque de caixa sem ao menos um fundamento para fazer”, disse o delegado.

O delegado informou que vai entrar com um mandado de segurança para que a decisão seja revertida.

“Meu advogado vai entrar com um mandado de segurança porque é inadmissível isso. Uma coisa que eu estou fazendo um trabalho muito bem feito e infelizmente aconteceu esse episódio”.

O advogado da família do empresário Leandro Troesch, Silas Coelho, disse que vai também vai entrar na Justiça com um mandado de segurança para que Rafael Magalhães continue nas investigações.

“Maqueila prestou depoimento por várias horas, entregou muitas informações preciosas, nós estamos no final do inquérito. Maqueila entregou hoje informações relevantes, nomes, situações que ocorreram e simplesmente o doutor Rafael foi retirado do caso”, reclamou.

Para o advogado de Maqueila Bastos, João Alves, o afastamento do delegado não atrapalha o rumo das investigações.

“Para o caso de Maqueila não, tendo em vista que tem algumas informações que eu não posso passar porque o inquérito ainda é sigiloso, porém Maqueila não tem nada a ver com homicídio ou com o suicídio, que é um fato a esclarecer”, afirmou o advogado.


*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário