Por reajuste, policiais federais pressionam governo e continuam mobilização

Foto: Divulgação/Polícia Federal

Em reunião virtual com 27 sindicatos, nesta última terça-feira (19), os representantes das entidades de servidores federais afirmaram que podem decidir, a qualquer momento, novos rumos para o movimento que reivindica o reajuste salarial. A paralisação das atividades não é descartada.

Os policiais federais seguem em busca de diálogo com o governo para garantir o reajuste superior aos 5% previstos a todos os servidores públicos da União.

Segundo o presidente da Federação Nacional dos Policiais (Fenapef), Marcus Firme, a categoria está unida. “A ideia é que, em cada estado, tenhamos um dia de protesto, possivelmente na próxima quinta-feira (28), para demonstrar nossa indignação com a forma como os policiais federais estão sendo tratados”, explica Firme.
A mobilização continua por conta da falta de resultado, após as reuniões com o ministro da Justiça, Anderson Torres, e no Palácio do Planalto, na segunda-feira (18). Os servidores estão insatisfeitos com as promessas não cumpridas pelo governo e pressionam por um aumento superior aos 5% previstos a todos os servidores públicos federais.

Em nota conjunta, foi relatado o “sentimento de surpresa e descontentamento” pelo reajuste linear para o serviço público federal. Eles afirmaram que não descartam a possibilidade de paralisação dos serviços. Segundo as entidades, Anderson Torres, que também é delegado da Polícia Federal, afirmou que existe interesse em trabalhar a parcela da recomposição inflacionária para todo o serviço público.

No entanto, para a categoria, “tal ação não obsta o andamento da reestruturação das polícias da União e destacam que o projeto de recomposição inflacionária é diferente da proposta de reestruturação”.

*Bahia.ba

Nenhum comentário:

Postar um comentário