PF apreende 300 pássaros em malas de passageiro

 Foto: Divulgação/Receita Federal

A Polícia Federal apreendeu 300 pássaros silvestres, no sábado (23), nas malas de um passageiro que tentava embarcar no Aeroporto Internacional de Brasília. As aves, da espécie canário-da-terra, foram trazidas de Boa Vista, em Roraima, e seriam vendidas a intermediadores, por R$ 15 cada. O suspeito foi levado à 1ª Delegacia de Polícia, na Asa Sul, e liberado, em seguida.

O homem, de 30 anos, foi detido, por volta das 16h, por servidores da Receita Federal que atuam no terminal. A descoberta ocorreu quando os agentes faziam a inspeção das bagagens, por meio dos equipamentos de Raio-X, e viram as aves, que estavam em gaiolas distribuídas em três malas.

A Polícia Federal foi acionada e conduziu o suspeito à delegacia. Segundo a Polícia Civil do DF (PCDF), o homem preferiu ficar em silêncio, assinou um termo de compromisso e, em seguida, foi liberado.
A pena para o crime de tráfico de animais silvestres é de detenção de seis meses a um ano, e multa. Os pássaros foram levados ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), que realiza os procedimentos para devolvê-los à natureza.

Canário-da-terra
O canário-da-terra é uma espécie conhecida, principalmente, pelo canto forte e pela beleza das penas. O macho tem a cor amarelo vivo e exibe uma mancha alaranjada na frente da cabeça. Já a fêmea não carrega na plumagem um tom tão vívido.

A cor da plumagem da ave é tão marcante que deu à Seleção Brasileira de Futebol o apelido de "seleção canarinho”, segundo estudiosos. Geralmente, o pássaro tem 13,5 centímetros de comprimento e pesa cerca de 20 gramas.

O canário-da-terra vive em bandos que podem abrigar até mais de 30 indivíduos. O repertório vocal do macho inclui um canto territorial extenso, que é executado apenas durante a madrugada.

Por não ser uma ave arisca e por possuir um canto muito admirado, o canário costuma ser alvo do tráfico de animais silvestres. Não à toa, a ave já foi considerada uma espécie ameaçada de extinção em alguns estados.

*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário