Secretaria da Saúde emite orientações após primeiro caso de varíola do macaco em Salvador

Foto: Reprodução Getty Images

Com a confirmação do primeiro caso de Monkeypox em Salvador, nesta última quarta-feira (13), a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) presta orientações sobre a doença. A enfermidade leva o nome "varíola dos macacos" por ter sido identificada pela primeira vez em 1958 em um macaco. 

De acordo com a diretora de Vigilância à Saúde, Andréa Salvador, apesar do cenário requerer cuidados preventivos, o momento não é alarmante, uma vez que a doença apresenta baixa letalidade. Dos casos ocorridos no mundo até o momento, não há registro de óbitos. 

“O importante nesse momento é evitar todo tipo de pânico. Os cuidados preventivos devem ser observados, mas é bom pontuar que trata-se de um agravo com baixo indicador de letalidade”, declara a gestora. 
Na capital baiana, um homem de 32 anos de idade, residente de Salvador, apresentou o início dos sintomas em 22 de junho. Ele foi atendido em hospital da rede particular. O mesmo teve sintomas que indicam a infecção viral como febre alta súbita e lesões na pele. Os exames laboratoriais confirmaram o caso como positivo para Monkeypox. O indivíduo segue em isolamento domiciliar e passa bem.

Transmissão – A varíola do macaco pode ser transmitida pelo contato com fluidos corporais, secreções respiratórias, lesões na pele ou mucosas de pessoas infectadas. Há também o risco de contaminação pela utilização de materiais contaminados, como toalhas, roupas de cama e utensílios domésticos contaminados e/ou contato com animais infectados pelo vírus.

Sintomas – Os principais sintomas observados nos indivíduos infectados são febre, dor de cabeça, dores nas costas ou musculares, inflamações nos nódulos linfáticos, lesões na pele, que começam no rosto e se espalham pelo corpo, atingindo principalmente as mãos e os pés. O vírus tem um período de incubação que pode variar de cinco a treze dias. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), os sintomas duram de 16 a 21 dias.

Prevenção – Apesar de não haver tratamento específico ou vacina para a varíola do macaco, a OMS afirma que a vacina para a varíola humana mostrou ser 85% eficaz para prevenir casos da doença. Recentemente, Estados Unidos, Alemanha e França anunciaram que irão implementar planos de vacinação como precaução.

Ao apresentar os sintomas da doença, a orientação da SMS é que o paciente busque uma unidade de urgência e emergência. Atualmente, a rede municipal dispõe de 16 postos de urgência que funcionam ininterruptamente, nos sete dias da semana, inclusive feriados, em regime 24 horas.

Locais de atendimento
- UPA Santo Antônio (Roma)
- UPA San Martin
- UPA Barris
- UPA Paripe 
- UPA Periperi
- UPA Valéria
- UPA Brotas
- UPA Parque São Cristóvão
- UPA Pirajá/Santo Inácio
- UPA Itapuã
- PA Orlando Imbassahy (Bairro da Paz)
- PA Alfredo Bureau (Marback)
- PA Edson Teixeira (Pernambués)
- PA Rodrigo Argolo (Tancredo Neves)
- PA São Marcos
- PA Maria Conceição Imbassahy (Pau Miúdo)


*Metro1

Nenhum comentário:

Postar um comentário