BA confirma mais um caso de varíola dos macacos em Salvador; capital registrou 10 infectados e outros três foram no interior

Foto: SCIENCE PHOTO LIBRARY

A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou nesta última quinta-feira (4), que registrou mais um caso confirmados da “Monkeypox”, doença conhecida como varíola dos macacos, em Salvador. A capital baiana já registrou 10 casos e outros três aconteceram nas cidades de Santo Antônio de Jesus e Ilhéus.

O primeiro caso da Monkeypox no estado ocorreu no dia 13 de julho. Ainda de acordo com o órgão de saúde, a Bahia tem 69 casos suspeitos da doença.

São notificações dos municípios de Amargosa (1), Aratuípe (1), Barra (1), Caetité (1), Cairu (1), Camaçari (1), Camamu (1), Conceição do Coité (1), Conceição do Jacuípe (1), Cruz das Almas (1), Dias D’Ávila (1), Ibicaraí (3), Ilhéus (1), Itaberaba (3), Itapebi (1), Itiruçu (1), Jaguaripe (1), Jeremoabo (1), Juazeiro (1), Lauro de Freitas (2), Nazaré (1), Salvador (35), Santa Cruz Cabrália (1), Santa Cruz da Vitória (1), Santo Antônio de Jesus (1), São Sebastião do Passé (1), Serra do Ramalho (1), Ubaitaba (1), Vitória da Conquista (1) e Xique-Xique (1).
A Monkeypox se assemelha à varíola humana, que foi erradicada em 1980. Os principais sintomas da doença são febre, dores de cabeça, musculares e nas costas, adenomegalia, calafrios e exaustão. A infecção é autolimitada com sintomas que duram de 2 a 4 semanas, geralmente dividida em dois períodos:
  • Invasão, que dura entre 0 e 5 dias, com febre, cefaleia, mialgia, dor das costas e astenia intensa;
  • Erupção cutânea começa entre 1 e 3 dias após o aparecimento da febre. A erupção tem características clínicas semelhantes com varicela ou sífilis, com diferença na evolução uniforme das lesões.
O que é a varíola dos macacos?
A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada. A transmissão pode ocorrer pelas seguintes formas:

Por contato com o vírus: com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.

De pessoa para pessoa: pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.
Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;
Da mãe para o feto através da placenta;
Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;
Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

Isolamento
Pacientes com suspeita da doença devem ficar em isolamento, em um local com boa ventilação natural. É recomendado que ambientes comuns, como banheiro e cozinha, fiquem com janelas abertas. Caso more com outras pessoas, deve-se usar a máscara cirúrgica bem ajustada, protegendo a boca e o nariz.

Além disso, é importante que o paciente lave as mãos várias vezes ao dia, preferencialmente com água e sabonete líquido. Se possível, deve usar toalhas de papel descartável para secá-las.

Quem estiver com suspeita também não compartilhar alimentos, objetos de uso pessoal, talheres, pratos, copos, toalhas ou roupas de cama. Os itens só podem ser reutilizados após higienização.


*G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário